fbpx

Saiba como utilizar o Neuromarketing a seu favor

Tal como o nome indica o Neuromarketing é uma mistura entre a Neuriciência e o Marketing, cujo principal objectivo é entender as motivações por detrás das escolhas dos consumidores (porque preferem determinada marca, comprar ou não um produto, tornar-se cliente fiel…).

A tomada de decisões desencadeia-se no nosso inconsciente quando os estímulos exteriores activam 3 partes específicas do nosso cérebro:

  • Cérebro reptiliano: controla tudo o que é responsável pela nossa sobrevivência;
  • Cérebro límbico: responsável por armazenar dados é activado pelos nossos 5 sentidos; e
  • Neocórtex: controla o raciocínio e o comportamento social.

TOMADA DE DECISÕES

Ao tomar decisões, avaliamos o valor das escolhas disponíveis, através de processos cognitivos e emocionais. Quando se trata de escolhas mais complexas estes processos deixam de ser suficientes provocando ansiedade e incerteza no momento da escolha (compra).

É aqui que entram os marcadores somáticos, ou seja, as associações entre estímulos de recompensa que conduzem a um estado afectivo/fisiológico associado. Quando a recompensa é positiva estes marcadores são criados.

Quando as alterações fisológicas (frequência cardíaca, expressão facial, etc) ocorrem no corpo, são transmitidas ao cérebro, transformando-se em emoções. Com o passar do tempo estas emoções vão ficando associadas a determinadas situações e resultados passados (memórias).

Aquando da tomada de decisão estas experiências passadas (marcadores somáticos) podem surgir e influenciar o processo cognitivo, fazendo com que a decisão seja tomada com mais conforto e segurança.

Tratando-se de decisões complexas os marcadores somáticos, que foram criados para estímulos relevantes, são agregados produzindo uma rede de estado somático. A decisão dos clientes é influenciada positivamente quando associada a emoções positivas, sensação de conforto, de segurança e estabilidade.

O NEUROMARKETING NÃO É UMA ESTRATÉGIA DE MARKETING

O Neuromarketing é uma forma de estudar o comportamento humano através da forma como o cérebro processa as informações. É a compreensão de que estímulos afectam que parte do cérebro e como a resposta pode relacionar-se com o comportamento desejado.

O papel do marketing é usar um estímulo específico com o objectivo de conduzir o consumidor a determinado comportamento.

NEUROMARKETING EM ACÇÃO

Pensemos na marca Coca-Cola. Após alguns estudos realizados a marca chegou à conclusão de que a maioria dos consumidores associavam a marca a momentos felizes da sua vida e se analisarmos, toda a estratégia de marketing da marca encontra-se focada neste aspecto, bons momentos, família, amigos.

COMO UTILIZAR O NEUROMARKETING NO SEU NEGÓCIO

Imagens funcionam melhor que texto

Muito mais facilmente compreendemos imagens do que palavras, por isso conteúdos visuais sãos mais apelativos. As redes sociais, como o Instangram, com conteúdo essenciamente visual são disso um exemplo.

Psicologia das Cores

Cada cor encontra-se associada a uma emoção, afectando-nos de maneira diferente. Comece por pensar no efeito que pretende alcançar e só depois escolha as cores a utilizar num logótipo, no design do seu site, na identidade visual dos seus produtos, publicações, etc.

Perder vs Ganhar

O “gatilho” mental da escassez funciona bem porque a maioria das pessoas dá muito valor ao que é escasso não gostando de correr riscos de perder a oportunidade, fazem compras por impulso.

Recompensa vs Castigo

A lógica leva o ser humano a guiar as suas acções para alcançar o prazer evitando a dor. Na ausência de dor ou sofrimento estamos perante uma situação de estabilidade e segurança na qual temos prazer. Esta lógica é utilizada, por exemplo, nos video jogos para manter os jogadores ligados ao jogo até ao final, as recompensas oferecidas vão aumentando conforme os desafios vão se tornando mais difíceis.

NEUROMARKETING E O CONTEÚDO PERSUASIVO

O cérebro reptiliano é muito egoísta e só se preocupa com as suas próprias necessidades.

Enquanto empresa/marca se só produzirmos conteúdo sobre nós próprios, não conseguiremos conquistar a atenção de ninguém. Se conseguir utilizar o seu poder de persuasão, para mostrar aos consumidores aquilo que têm a ganhar com os seus produtos, ou seja, como estes os podem ajudar e melhor o dia-á-dia, irá bem longe.

Um texto persuasivo, que influencia o consumidor sem o manipular deverá:

  • Usar a emoção (admiração, ansiedade, felicidade, medo e raiva);
  • Não escrever só sobre o próprio;
  • Apostar no storytelling;
  • Utilizar palavras persuasivas (“porque”, “grátis”, “novo”, “agora” e “aqui”);
  • Criar listas (são menos monótonas e permitem ao leitor encontrar facilmente a informação);
  • Utilizar soundbites ( mensagens curtas, no máximo 10 palavras, que ficam na cabeça tais como repetições, rimas, frases refletivas);
  • Call-to-action (todo o conteúdo produzido ter o objectivo de conduzir a uma acção específica – comentários, compartilhar, subscrever newsletter, clicar num link); e
  • Recorrer à repetição (estabelecer padrões, repetições de palavras e frases).

Fonte: Viver de Blog

Recomendar
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIN
Partilhar
There is 1 comment on this post
  1. Anita
    Janeiro 04, 2019, 4:32 pm

    Thanks, for your comment, we were pleased to know that you liked our post.

Deixar um comentário